Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Social e do Trabalho  

Psicologia Ambiental
1° semestre / 2006

Ensino Publicações Contato

Disciplina
em nível de graduação; número 12.5130; 04-00-04 créditos; 60 horas aula; terças e quintas-feira, 16:00-17:40 na Sala ICC-AT 193/7
Ementa
Evolução histórica e contexto cultural da psicologia ambiental. Problemas e métodos em Psicologia Ambiental. Percepção ambiental. Comportamento Espacial. Experiência Urbana. Ambientes Naturais. Ecologia. Desenho Urbano
Objetivos
O aluno deverá ser capaz de descrever os conceitos e teorias da área da Psicologia Ambiental. Reconhecer a relação entre ambiente e comportamento, a partir desses conceitos. Realizar uma pesquisa utilizando conceitos e métodos aplicados à área. Elaborar um relatório de pesquisa, de acordo com critérios científicos.
Aviso
Ao longo do semestre poderão ser (a) acrescentadas outras referências, (b) atualizados os links para recursos externos, (c) modificado o cronograma das aulas em função de eventos externos não previstos, (d) feitas outras modificações para ajudar o aluno a melhorar o seu desempenho nesta disciplina.Assim, recomenda-se visitas periódicas a este site.
Professor
Hartmut Günther
e-mail:
hartmut@unb.br

telefone:
3307.2625 ramal 220

Monitora
Clara Cantal
e-mail: cla_cantal@yahoo.com.br
telefones:
3307.2625 ramal 220
9247.2243

Informações Úteis
página do LPA:
www.psi-ambiental.net
o web
página de revistas da CAPES
www.periodicos.capes.gov.br

 

 

Sujeito a modificação e atualização sem aviso prévio - recomenda-se uma consulta semanal

Cronograma
# Data em 2006 Assunto

1 18 de abril Apresentação do programa
O que é Psicologia Ambiental? Principais características da área.
link: Definição de De Young

2 20 Evolução histórica e contexto cultural da psicologia ambiental. Você deve ter lido Proshansky, Ittelson & Rivlin (1970), Ittelson et al. (1974) e Günther & Rozestraten (1993)


3 25 Pesquisa em Psicologia Ambiental - projetos de pesquisa da disciplina

4 27 Evolução histórica e contexto cultural da psicologia ambiental. Teorias da relação comportamento-ambiente. Você deve ter lido Rivlin (2003).

5 2 de maio a Entregar texto breve (1/5) com a definição do tema da pesquisa e, se for o caso, a definição do grupo de pesqusia
Pesquisa em Psicologia Ambiental - projetos de pesquisa da disciplina, você deve ter lido Günther 2004.

6 4 » consultas com monitor e professor « tempo para aprimorar o projeto, especialmente, o método

7 9 Interface entre Psicologia Ambiental e Arquitetura. Voce deve ter lido Elali (1997)
Revitalização da W3 - vide link para o projeto

8 11 a Entregar texto breve (2/5) com a definição do método de pesquisa
Psicologia ecológica de Barker. Você deve ter lido Carneiro e Bindé (1997).

9 16 Percepção / Cognição Ambiental

10 18 Espaço Pessoal. Veja Sommer (1973), você deve ter lido Sommer (2002)

11 23 Espaço Pessoal e Territorialidade

12 25 » consultas com monitor e professor « tempo para aprimorar o projeto, especialmente, o instrumento

13 30 a Entregar texto breve (3/5) com a definição do instrumento e do procedimento da pesquisa
Territorialidade 

14 1 de junho Territorialidade

15 6 Vida urbana, você deve ter lido Milgram (1970).

16 8 Densidade e Multidões

17 13 Privacidade

  15 Feriado - Corpus Cristi

18 20 » consultas com monitor e professor « tempo para coletar dados

19 22 a Entregar texto breve (4/5) sobre a sua experiência com coleta de dados até este momento
Interface entre Psicologia Ambiental e Psicologia Urbana / Planejamento Urbano, vide Whyte (1988)

20 27 » consultas com monitores e professor « tempo para coletar dados

21 29 Estressores Ambientais vide Günther & Machado (2002) 

Observem as modificações do Programa em função das aulas perdidas durante a Copa

22 4 de julho Interface entre Psicologia Ambiental e Psicologia Urbana / Planejamento Urbano, vide Whyte (1988)

23 6 a Entregar texto breve (5/5) sobre a sua experiência com a análise dos dados até este momento
Estressores Ambientais vide Günther & Machado (2002)

24 11 Interface entre Psicologia Ambiental e Psicologia do Trânsito - vide Moyano Diaz (1997) e Günther (2001)

25 13 Ambientes Especiais, Acessibilidade e Mobilidade

26 18 Ambiente e jovens, você deve ter lido Günther & Cunha (2004) e Günther, Nepumuceno, Spehar & Günther (2003).

27 20 Avaliação (sobre assuntos das aulas 1-23)

28 25 a Entregar primeiro rascunho do seu trabalho final
Ambientes e idosos

29 27 Comportamento pro-ambiental

  1 de agosto » consultas com monitor e professor « tempo para preparar o painel

30 3 Apresentação dos projetos de pesquisa (painel)
Avaliação da disciplina

  4 a Entregar Relatório final (até as 17:30, no Laboratório ou escaminho do professor)



Sobre o Projeto de Pesquisa

O projeto de pesquisa é um elemento essencial desta disciplina. Vide observações sobre temas e datas.

Possíveis Temas de Pesquisa

Pesquisa em psicologia ambiental relaciona comportamento e/ou estados subjetivos de um lado (o componente psicológico) a algum aspecto do ambiente físico, natural e/ou construído.

O ambiente físico que será estudado é o campus da UnB. O componente psicológico está implícita nas teórias que tratamos nas primeiras semanas do semestre

O método é exclética, podendo variar desde experimento, survey, observações, estudos de caso, qualitativo ou quantitativo — desde que seja empírica.

Sugerimos que procure a monitora e/ou o professor o mais breve possível para discutir o seu tema, veja datas a seguir.

Datas importantes para o desenvolvimento da pesquisa

Um importante segredo para se ter sucesso ao realizar uma pesquisa está no planejamento dos passos de pesqusia dentro do tempo disponível. Assim, sugerimos que faça todo esforço para seguir este cronograma:

  • até a 5ª aula, você deve ter definido o tema da sua pesquisa. Isto implica que
    • (a) antes desta aula, você converse com a monitora e/ou com o professor sobre seu tema, para
    • (b) poder entregar, no início da aula do dia 2 de maio, o primeiro texto breve (veja a seguir) no qual informa sobre o tema, justifica a sua escolha e define as variáveis principais da pesquisa.
  • até a 8ª aula, você deve ter definido a metodologia para poder entregar, no início da aula do dia 11 de maio, o segunda texto breve no qual informa sobre o método a ser utilizado.
  • até a 13ª aula, você deve ter preparado o instrumento da pesquisa para poder entregar, no início da aula do dia 30 de maio, o terceiro texto breve no qual informa sobre o instrumento que vai utilizar na sua pesquisa empírica.
  • até a 19ª aula, você deve estar bem adiantado na coleta de dados para poder entregar, no início da aula do dia 22 de junho, o quatro texto breve no qual fala sobre sua experiência em coletar os dados;
  • até a 23ª aula, você deve estar bem adiantado na análise de dados para poder entregar, no início da aula do dia 6 de julho, o quinto texto breve no qual fala sobre como analizou os dados;
  • até a 28ª aula, você deve ter concluído um primeiro rascunho do seu trabalho final para poder entregá-lo, no início da aula do dia 25 de julho uma primeira versão do seu trabalho final. Nós o devolveremos dentro de uma semana, no dia 1 de agosto) com observações tanto sobre a forma quanto sobre o conteúdo.
  • A versão final do trabalho pode ser entregue até 17:30 horas do dia 4 de agosto no Laboratório de Psicologia Ambiental ou no escaminho do professor. O trabalho final deve ser preparado como um manuscrito para publicação -- veja na página da revista Psicologia: Teoria e Pesquisa as normas de publicação.
  • Enquanto a página da revista oferece as normas para publicação, seguem ainda dois modelos nas seguintes links: Modelo de Artigo e um arquivo que pode ser copiado e utilizado como padrão para o artigo.

Os melhores trabalhos serão publicados nas páginas dos Textos do Laboratório de Psicologia Ambiental. 

Textos breves

No decorrer do semestre, você deverá preparar e entregar cinco textos breves de no máximo, uma página -- vide aqui para instruções -- que tratem de diferentes fases da sua pesquisa. O texto deverá ser entregue no dia especificado, pessoalmente no início da aula, ou, se por acaso você prevê que não poderá participar daquela aula, por um colega, no início da aula ou, como documento anexado via internet para o professor e para a monitora [i.é, para ambos] de tal maneira que chegue antes do início daquela aula.

Mesmo se por acaso você não tiver completado a tarefa de alguma fase até o dia da entrega, você deve preparar um texto breve no qual comenta sobre o que conseguiu realizar, sobre sua experiência até aquele momento, porque não conseguiu completar a tarefa e até quando e/ou como espera concluir aquela fase do trabalho. Quando você completar a fase de pesquisa em questão, você deverá entregar uma segundo versão do texto breve no qual fala sobre a conclusão da tarefa.

A entrega do texto breve fora do prazo implica na possibilidade de não receber feedback, além do mais, cada dia de atraso na entrega implica na perda de 10% do valor da nota daquela atividade.

Algumas Referências da Área de Psicologia Ambiental

Uma lista extensa de referências da área de psicologia ambiental pode ser encontrado na página do Laboratório de Psicologia Ambiental no seguinte link http://www.psi-ambiental.net/PU/Publicacoes.htm
Referencias mencionadas no programa acima são elencadas a seguir.

  • ® Carneiro, C., & Bindé, P. J. (1997). A psicologia ecológica e o estudo dos acontecimento da vida diária.  Estudos de Psicologia, 2(2), 363-376.
  • ® Elali, G. A. (1997). Psicologia e arquitetura: em busca do locus interdisciplinar. Estudos de Psicologia, 2(2), 349-362.
  • Evans, G. W. (1996). Current Trends in Environmental Psychology  Disponível na Internet
  • Günther, H. (2001). Ambiente, trânsito e psicologia: antecedentes de comportamentos inadequados no trânsito. Trabalho apresentado para a mesa 'Possibilidades de interface entre a psicologia de trânsito e a psicologia ambiental' no Seminário Nacional: 'Psicologia, Circulação Humana e Subjetividade' organizado pelo CRP 01, São Paulo, SP, 23-24 Novembro.
  • Günther, H. (2003) Como elaborar um questionário. (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, N° 01). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental.
  • ® Günther, H. (2003). Mobilidade e affordance como cerne dos Estudos Pessoa-Ambiente. Estudos de Psicologia (Natal), 8 (2), 273-280.
  • Günther, H. (2004) Como elaborar um relato de pesquisa. (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, N° 02). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental.
  • Günther, H. (2004). Reflexões sobre a sustentabilidade da psicologia ambiental no Brasil. (Série: Textos de Psicologia Ambiental, N° 09). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental.
  • Günther, H., & Rozestraten, R. J. A. (1993). Psicologia ambiental: algumas considerações sobre sua área de pesquisa e ensino. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 9(1),109-124.
  • Günther, H., Elali, G. A., & Pinheiro, J. Q. (2004). A abordagem multimétodos em Estudos Pessoa-Ambiente:características, definições e implicações. (Textos de Psicologia Ambiental, Nº 23). Brasília, DF: UnB, Instituto de Psicologia.
  • Günther, H., Pinheiro, J. Q., & Guzzo, R. (Eds.). (2004). Psicologia ambientral: entendendo as relações do homem com seu ambiente. Campinas, SP: Editora Alínea.
  • Günther, I. A., & Cunha, L. F. (2004). Onde encontrar os jovens na psicologia ambiental? Em H. Günther, J. Q. Pinheiro & R. S. L. Guzzo (Eds.), Psicologia ambientral: entendendo as relações do homem com seu ambiente, (pp. 147-166).. Campinas, SP: Editora Alínea.
  • Günther, I. A., & Machado, S. S. (2002). Revistando a saúde: da visão patogênica à visão salutogênica de estresse. Em Z. A. Trindade (Ed.), Psicologia e saúde: um campo em construção (p. 45-54). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.
  • ® Günther, I. A., Nepumuceno, G. M., Spehar, M. C., & Günther, H. (2003). Lugares favoritos de adolescentes no Distrito Federal. Estudos de Psicologia, 8(2), 299-308.
  • Ittelson, W. H., Proshansky, H. M., Rivlin, L. G., & Winkel, G. H. (1974). An introduction to environmental psychology. Nova York: Holt, Rinehart & Winston.
    [Capítulo 1, pp. 1-16, tradução e adaptação de José Q. Pinheiro, exclusivamente para fins didáticos, disponível neste link]
  • Milgram, S (1970). A experiência de viver na cidade: Adaptações à sobrecarga urbana criam qualidades características à vida nas cidades que podem ser mensuradas (Série: Textos de Psicologia Ambiental, Nº 06). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. Disponível neste link: Milgram, S. (1970).
  • ® Moyano Diaz, E. (1997). Teoría del comportamiento planificado e intencíon de infringir normas de transito en peatones. Estudos de Psicologia, 2(2), 335-348.
  • Proshansky, H. M., Ittelson, W. H., & Rivlin , L. G. (1970). The influence of the physical environment on behavior: Some basic assumptions. Em H. M. Proshansky, W. H. Ittelson, & L. G. Rivlin (Eds.), Environmental psychology: Man and his physical setting (pp. 27-37). New York: Holt, Rinehart and Winston. [Este capítulo está disponível no Xerox]
  • ® Rivlin, L. G. (2003). Olhando o passado e o futuro: revendo pressupostos sobre as inter-relações pessoa-ambiente. Estudos de Psicologia, 8(2), 215-220.
  • Sommer, R. (1973). Espaço pessoal (D. M. Leite, Trans.). São Paulo, SP: EPU - EDUSP.
  • Sommer, R. (2002). From personal space to cyberspace. (Série: Textos de Psicologia Ambiental, N° 01). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental.
  • Whyte, W. H. (1988). City: Rediscovering the center. New York: Anchor Books.

® Artigos acessíveis via www.scielo.br


Lista de Discussão

Organizamos uma lista de discussão, para facilitar o contato entre os alunos da turma. Recomenda-se fortemente de participar da lista.

Enviar mensagem: PsiAmbiental2006@yahoogroups.com
Participar: PsiAmbiental2006-subscribe@yahoogroups.com
Responsável pela Lista: PsiAmbiental2006-owner@yahoogroups.com

Avaliação

Basear-se-á nas seguintes atividades:

  1. Uma avaliação em sala de aula [20%]
  2. Cinco textos breves [20%]
  3. Apresentação da pesquisa em forma de painel [20%]
  4. Apresentação da pesquisa em forma de artigo [40%]
    Um esboço formatado está disponível neste link

 

 

 

Menções

  • 90 - 100 pontos — SS
  • 70 - 89 — MS
  • 50 - 69 — MS
  • 30 - 49 — MI
  • 01 - 29 — II
  • 00 ou mais de 25% de faltas — SR
  • A não-participação em qualquer uma destas quatro atividades implicará na menção II.

 

 

 

 


Ensino Publicações Contato

atualização 2006-08-01
Visitas