Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Social e do Trabalho  

Planejamento de Pesquisa em Psicologia
2° semestre / 2006

Ensino Publicações Contato

Disciplina
em nível de pós-graduação; Número: 32.403;
Créditos: 04-00-04;
Carga Horária: 60 horas/aula;
Terças e Quintas, 08:00 - 09:40;
Sala: Pavilhão João Calmon BT-108

Ementa
Pesquisa empírica em Psicologia. Identificação e controle das variáveis. Bases lógicas e metodológicas do delineamento da pesquisa. Tipos fundamentais de delineamentos. Avaliação de pesquisas e elaboração de projetos de pesquisa. Uso das fontes de pesquisa.
Objetivos
Fornecer aos alunos, de maneira teórica e prática, os subsídios para o desenvolvimento de projetos de pesquisa, bem como para a elaboração de um trabalho científico.
Aviso importante
Ao longo do semestre poderão ser (a) acrescentadas outras referências, (b) atualizados os links para recursos externos, (c) modificado o cronograma das aulas em função de eventos externos não previstos, (d) feitas outras modificações para ajudar o aluno a melhorar o seu desempenho nesta disciplina. Assim, recomenda-se visitas periódicas a este site.
Professor
Hartmut Günther
Atendimento:
Terças e Quintas-feiras, 16:15-17:45 na sala ICC A1–102; ou a combinar:
e-mail:
hartmut@unb.br

telefone:
3307.2625 ramal 220

Monitora
Solange Alfinito
Atendimento:a combinar:
e-mail:
salfinito@gmail.com

telefone:
3307.2625 ramal 220 ou 216

Lista de discussão
Preparamos uma lista de discussão para facilitar o contato entre alunos, monitora e professor desta disciplina. A lista é restrita a participantes desta disciplina.

Para inscrever-se, escreve seu e-mail no campo a seguir e clique no botão.

Google Groups
Email:

Recomendamos fortemente que você se afilie à lista o mais breve possível. Além de facilitar o contato, consta entre os objetivos da lista:
— Divulgar informações e atualizações sobre o programa, cronograma, referências, etc.
— Troca de idéias
— Avisos sobre avaliações e tarefas
— Perguntas ao professor ou à monitora que podem interessar aos colegas além do aluno que faz a pergunta
— Respostas a perguntas que podem interessar a mais alunos além daquele que fez a pergunta
— Obviamente, perguntas e respostas "pessoais" devem ser dirigidas diretamente à pessoa específica, não ao grupo como um todo.


Lema da Disciplina
In the year of our Lord 1432, there arose a grievous quarrel among the brethren of a monastery over the number of teeth in the mouth of a horse. For thirteen days the disputation raged without ceasing. All the ancient books and chronicles were fetched out, and wonderful and ponderous erudition, such as was never heard of in this region, was made manifest. At the beginning of the fourteenth day, a youthful friar of goodly bearing asked his learned superiors for permission to add a word.
Straightaway, to the wonder of the disputants whose deep wisdom he sorely vexed, he beseeched them to unbend in a manner coarse and unheard of, and to look in the mouth of a horse to find an answer to their questioning. At this, their dignity being greatly hurt, they waxed exceeding wroth; and joining in a mighty uproar, they fell upon him, hip and thigh, and cast him out forthwith. For, said they, surely Satan hath tempted this bold neophyte to declare unholy and unheard of ways of finding truth contrary to all the teachings of their fathers!
Francis Bacon (1561-1626)

Avaliação
A avaliação basear-se-á em cinco atividades:
Atividade 1 - apresentação, em sala de aula, da avaliação de uma dissertação ou tese, conforme roteiro, no apêndice do texto de Günther (2004) veja aqui (15%)
Atividade 2 - apresentação da avaliação por escrito, em forma de artigo de resenha (vide também atividade 4); sugere-se a entrega no dia da apresentação, i.e., aula # 23. A resenha deve tratar (de alguns) dos pontos do roteiro mencionado na Atividade 1. Modelos de resenhas podem ser encontrados em revistas tais como Psicologia: Teoria e Pesquisa, Estudos de Psicologia, Psicologia: Reflexão e Crítica, CP—Contemporary Psychology (publicada em papel até 2004 e disponível na biblioteca central) ou PsycCRITIQUES (que substituiu CP em forma eletrônica a partir de 2005 e que está disponível via Portal de Periódicos da CAPES). (15%)
Atenção: Você deve escolher uma dissertação de mestrado ou tese de doutorado, conforme seu nível no programa (isto é, ser mestrando ou doutorando). O trabalho escolhido deve ter sido realizado no Instituto de Psicologia da UnB. Um mesmo trabalho não deve ser escolhido por mais de uma pessoa. Quem informou — via lista de discussão — primeiro, tem preferência. Vide aqui a lista das dissertações e teses já escolhidas.
Atividade 3 - elaboração de uma pesquisa empírica e sua apresentação numa sessão de painel (20%)
Atividade 4 - apresentação da pesquisa em forma de artigo pronto para envio à revista Psicologia: Teoria e Pesquisa. Você deve seguir as instruções para autores dessa revista. Um esboço formatado está disponível neste link. Esta nota basear-se-á tanto em aspectos formais (i.é, de ter seguido ou não as normas de publicação), quanto substanciais (e.g., reflexão e crítica acerca do êxito da pesquisa no caso de realizar um estudo piloto).(40%)

Atividade 5 - preparação de 10 textos breves, conforme roteiro, veja aqui (10%).
Estes textos são indispensáveis, seja para o acompanhamento das aulas, seja para o desenvolvimento das atividades (3) e (4).

Menções

  • 90 - 100 pontos — SS
  • 70 - 89 — MS
  • 50 - 69 — MM
  • 30 - 49 — MI
  • 01 - 29 — II
  • 00 ou mais de 25% de faltas — SR
  • A não-participação em qualquer uma destas cinco atividades implicará na menção II.

Uns lembretes
Teorias...
"Teorias -- Comprovantes"
[Bortz & Döring, 1995, p. 328]
Planejamento...

Saul Steinberg, 1950, © The New Yorker

Informações Úteis
Livrarias e sebos online Alguns recursos de informação científica

 

 

Sujeito a modificações e atualização ao longo do semestre sem aviso prévio. Recomenda-se uma consulta semanal.

Cronograma
# Datas em 2006 Assunto

1 29 de agosto » Introdução à disciplina e apresentação do programa

2 31 » Projetos de pesquisa desta disciplina
» Quack Theories [quack = grasnido de pato; charlatão] — ler: Russell Turpin's "Characterization of Quack Theories"

3 5 de setembro a Atividade 5 — 1° texto breve: Rind et al. (1998)
» Ética na pesquisa social [Ciência - Mídia - Política: a controvérsia provocada por Rind et al. (1998)]

4 12 » Ética (Sommer & Sommer, 1983; respostas a Sommer & Sommer em 1984)
» Teoria, pesquisa e aplicação (Sommer, 1977/2003)

5 14 a Atividade 5 — 2 ° texto breve: definição do tema da pesquisa da Atividade 4
» Pesquisa qualitativa e quantitativa (Günther, 2006)

6 19 » Formular perguntas de pesquisa / Referências Anotações - vide aqui

7 21 a Atividade 5 — 3° texto breve: definição do método da Atividade 4
» Observações sistemáticas e inferências Anotações - vide aqui

8 26 » Estratégias de medição Anotações - vide aqui

9 28 » Escalas, codificação e fidedignidade Anotações - vide aqui

10 3 de outubro a Atividade 5 — 4 ° texto breve: preparação do instrumento da Atividades 4
» Validade da pesquisa

11 5 » Pesquisa experimental

12 10 a Atividade 5 — 5° texto breve: Kendler (1999)
» Estudo de caso

13 12 Não haverá aula neste dia em função do feriado em Brasília. Ótima oportunidade para aproveitar o tempo e avançar na pesquisa ou colocar as leituras em dia.

14 17 » Pesquisa correlacional

15 19 a Atividade 5 — 6° texto breve: Lazarsfeld (1944)
» Pesquisa em ambientes naturais (Sommer, 1971)

16 24 » Pesquisa em ambientes naturais (cont.) Anotações - vide aqui

17 26 » Coleta de dados; veja Shea (2000) e I. Günther (1998) sobre interação com sujeitos, inclusive questões éticas na coleta de dados.

18 31 a Atividade 5 — 7° texto breve: relatório sobre a coleta de dados da Atividade 4
» Estratégias de análise de dados

  2 de novembro Feriado - Finados

19 07 » Estatística descritiva

20 09 a Atividade 5 — 8° texto breve: Cohen (1994)
» Estatística inferencial (Andrews et al., 1981).

21 14 » Estatística inferencial (cont'd)

22 16 » Análise de dados qualitativos 

23 21 a Atividade 5 — 9° texto breve: relatório sobre a análise de dados da Atividade 4
» Amostragem Anotações - vide aqui

24 23 a Atividade 1 — Apresentação das análises de dissertação ou tese
a Atividade 2 — Entrega desta análise

25 28 a Atividade 5 — 10° texto breve: Sommer (1973) e Sommer (1990) - os dois textos num único texto breve .
» Interpretação de resultados de pesquisa

26 30 » Pesquisa de avaliação Anotações - vide aqui

27 5 de dezembro » Preparação dos relatos de pesquisa
a Atividade 4 Rascunho do trabalho final; caso você queira feedback, o rascunho deve ser entregue até este dia. Nós o devolveremos até a manhã da quinta-feira, 14 de dezembro com observações.

28 7 » Processo de publicação

29 12 » consultas com professor e monitora; tempo para preparar o painel da Atividade 3

30 14 a Atividade 3 Apresentação, em forma de painel, dos projetos de pesquisa
»Avaliação final da disciplina

  20 a Atividade 4Último dia de entrega do relatório da pesquisa, bem como o último dia para entregar qualquer um dos demais trabalhos ainda não entregues.
» Até às 17:30, no Laboratório de Psicologia Ambiental ou no escaminho do professor

  Observação: a indica atividades dos alunos

Possíveis Temas de Pesquisa

  • Muitos alunos aproveitam esta disciplina para fazer um estudo piloto, tendo em vista a sua dissertação ou tese. Neste caso, a ênfase está no piloto. Vogt (1993, p. 172) define estudo piloto como "A preliminary test or study to try out procedures and discover problems before the main study begins. ... In a pilot, the entire study with all its instruments and procedures is conducted in miniature (e.g., on a small sample). By contrast, a pretest is used to assess some part of an instrument or procedure." Obviamente, não constitui um estudo piloto:
    • uma pesquisa com mais de 100 sujeitos;
    • um pré-teste;
    • o aproveitamento de um estudo em andamento no Laboratório do qual faz parte;
    • a re-edição de um estudo que faz (fez) parte das exigências de outra disciplina;
    • Em caso de dúvida, convém procurar o Professor da disciplina.
  • Parte importante do relatório sobre um estudo piloto consiste na reflexão e discussão aprofundada sobre o que deu certo, o que não deu certo e o que será feito na versão definitiva do estudo almejado.
  • Uma segunda possibilidade de pesquisa para esta disciplina consiste em realizar um estudo empírico e inédito acerca de algum aspecto de técnicas e procedimentos de pesquisa. Existe uma série de perguntas processuais de pesquisa que freqüentemente são resolvidas no achismo, tradição, ou grito. Entre tantas questões, menciona-se, aqui, apenas alguns exemplos: Qual o número de alternativas que devem ser utilizadas numa escala Lickert, isto é, um número par ou impar? É mais apropriado usar perguntas abertas ou fechadas? Qual a conveniência de respostas sim-não versus escala Lickert? Quais as implicações e vantagens de diferentes maneiras de abordar um sujeito / participante para uma pesquisa? Para cada uma destas perguntas — e tantas outras — perguntas, pode-se fazer um estudo empírico que pode fornecer algumas dicas adicionais.
    Obviamente, não constitui estudo inédito:
    • o aproveitamento de um estudo em andamento no Laboratório do qual faz parte;
    • a re-edição de um estudo que faz (fez) parte das exigências de outra disciplina;
    • Em caso de dúvida, convém procurar o Professor da disciplina.

Casa de ferreiro, espeto de pau

  • Um importante segredo para se ter sucesso ao realizar uma pesquisa está no planejamento dos passos da mesma dentro do tempo disponível. Desta maneira, as atividades a serem desenvolvidas numa disciplina como Planejamento de Pesquisa devem, necessariamente, incluir um plano de atividades, um cronograma de pesquisa. Portanto, convém fazer todo esforço para seguir o cronograma das atividades marcadas com este símbolo a.

Textos breves

  • No decorrer do semestre, você deverá preparar e entregar dez textos breves de no máximo uma página — vide aqui as instruções — que tratam de diferentes fases da sua pesquisa.
  • O texto deverá ser entregue no dia especificado,
    • pessoalmente no início da aula,
      ou
    • se por acaso você prevê que não poderá participar daquela aula,
      • por um colega, no início da aula
        ou
      • como documento anexado via internet para o professor e para o monitora [i.é, para ambos] de tal maneira que chegue antes do início daquela aula.
  • O texto deve seguir o modelo das instruções. Uma razão — entre outras— de revistas científicas especificarem normas de publicação um tanto rígidas é que o pesquisador deve usar sua criatividade na realização da substância do trabalho, não na formatação do mesmo. O mesmo princípio se aplica aos textos breves. Textos breves que não seguirem o modelo serão devolvidos e tratados como 'não-entregues'.
  • Os textos breves # 1, 5, 6, 8, 10 consistem em resumos de textos científicos. Para estes não existe razão de não serem entregues nos respectivos dias especificados. Como hoje você já sabe quais as leituras e datas, você pode organizar seu tempo de tal maneira que os textos breves estejam prontos nos dias especificados - ou até antes. Afinal, trata-se de uma questão de planejamento.
  • Os textos breves # 2, 3, 4, 7, 9 tratam das fases da sua pesquisa. Assim:
    • no segundo texto breve (a ser entregue na 5ª aula, no dia 14 de setembro) você deve relatar que tema de pesquisa você escolheu, justificando a sua escolha, e definir as variáveis principais da pesquisa. Para tanto, convém conversar antes com o Professor (e com o seu orientador, caso opte por um estudo piloto) sobre seu tema;
    • no terceiro texto breve (a ser entregue na 7ª aula, no dia 21 de setembro) você deve relatar a sua reflexão sobre a metodologia, definindo o método a ser utilizado nos seus estudos;
    • no quarto texto breve (a ser entregue na 10ª aula, no dia 3 de outubro) você deve relatar o instrumento que vai utilizar na sua pesquisa empírica;
    • no sétimo texto breve (a ser entregue na 18ª aula, no dia 31 de outubro) você relata a sua experiência com a coleta dos dados. Espera-se que você esteja bem adiantado na coleta dos dados;
    • no nono texto breve (a ser entregue na 23ª aula, no dia 21 de novembro) você deve relatar como analisou os dados. Espera-se que você esteja bem adiantado ou tenha até terminado a análise de dados.
    Mesmo que não tenha completado a tarefa de alguma fase até o dia especificado, você deve preparar um texto breve no qual relata o que conseguiu, isto é, sua experiência até aquele momento, por que não conseguiu completar a tarefa e até quando e/ou como espera concluir esta fase do trabalho. Quando completar a fase de pesquisa em questão, você deverá entregar uma segunda versão do texto breve que fale sobre a conclusão da tarefa.
  • A entrega do texto breve fora do prazo implica na possibilidade de não receber feedback.

Algumas Referências sobre Planejamento de Pesquisa

Não há texto básico para esta disciplina. As leituras estão disponibilizadas na Internet e na Copiadora do Multiuso conforme a programação acima. Referências adicionais podem ser acrescentadas no decorrer do semestre, esteja atento.
Uma lista extensa de referências sobre Metodologia de Pesquisa pode ser encontrada na página do Laboratório de Psicologia Ambiental no seguinte link http://www.psi-ambiental.net/PU/Publicacoes.htm

As referências a seguir obedecem a seguinte codificação

  • S disponível no Scielo: www.scielo.br
  • C disponível no Portal de Periódicos da CAPES: www.periodicos.capes.gov.br
  • J disponível no Portal de Periódicos JStor: www.jstor.com
  • X disponível na Copiadora do Multiuso.
  • * recomenda-se a aquisição deste livro
  •  

  • X Allen, C. (1997). Spies like us: When sociologists deceive their subjects. Lingua Franca, 7(9), 31-39.
  • C American Psychological Association. (2001). Ethical principles of psychologists and code of conduct. American Psychologist, 47(12), 1597-1611.
  • * American Psychological Association. (2001). Publication manual of the American Psychological Association (5th ed.). Washington, DC: Author.
        ou
    * American Psychological Association (2001). Manual de publicação da American Psychological Association (Daniel Bueno, trad.). Porto Alegre, RS: ArtMed. 
  • Andrews, F. M., Klem, L., Davidson, T. N., O'Malley, P. M., & Rodgers, W. L. (1981). A guide for selecting statistical techniques for analyzing social science data (2nd Ed.). Ann Arbor, MI: The University of Michigan, Survey Research Center, Institute for Social Research. disponível na URL http://www.socialresearchmethods.net/selstat/ssstart.htm
  • * Bauer, M. W., & Gaskell, G. (Eds.). (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e sim: um manual prático. (trad. Pedrinho A. Guareschi). Petrópolis, RJ: Vozes.
  • * Bickman, L., & Rog, D. J. (Eds.) (1998). Handbook of applied social research methods. Thousand Oaks, CA: Sage. [Este livro vale a pena ser comprado, vez que tem capítulos sobre (a) planejamento e delineamento, (b) tipos de pesquisa e (c) técnicas de coleta e análise de dados.]
  • Bortz, J., & Döring, N. (1995). Forschungsmethoden und Evaluation [Métodos de pesquisa e avaliação]. Berlin: Springer.
  • S Borges, L. O., & Pinheiro, J. Q. (2002). Estratégias de coleta de dados com trabalhadores de baixa escolaridade. Estudos de Psicologia, 7, 53-63.
  • C Blommaert, J., & Bulcaen, C. (2000). Critical discourse analysis. Annual Review of Anthropology, 29, 447-466.
  • Chamberlin, J. (1999, dezembro). Unpublished? Try your dissertation. APA Monitor, 30(12), 40-41. http://www.apa.org/monitor/dec99/ed1.html
  • C Cohen, J. (1994). The earth is round (p < .05). American Psychologist,  49(12), 997-1003.
  • * Come, J. D. & Foster, S. L. (1997). Dissertations and thesis from start to finish: Psychology and related fields. Washington, DC: American Psychological Association.
  • C DuBois, J. M. (2000). Beyond the naturalistic fallacy. American Psychologist, 55, 1153-1154.
  • * Figueiredo, L. C. (1995). A redação pelo parágrafo. Brasília, DF: Editora UnB.
  • Günther, H. (2001). Um modelo de artigo: Considerações formais. http://www.unb.br/ip/lpa/pdf/ModeloArtigo.pdf 
  • Günther, H. (2003). Como elaborar um questionário. (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, N° 01). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. http://www.psi-ambiental.net/pdf/01Questionario.pdf
  • Günther, H. (2004). Como elaborar um relato de pesquisa. (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, N° 02). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. http://www.psi-ambiental.net/pdf/02Sugestoes.pdf 
  • S Günher, H. (2006). Pesquisa qualitativa v. pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 201-209.
  • Günther, H., Elali, G. A, & Pinheiro, J. Q. (2006). A abordagem multimétodos em estudos pessoa-ambiente: características, definições e imlicações. Manuscrito não-publicado. www.psi-ambiental.net/pdf/20MultiMetodo.pdf
  • Günther, H., & Lopes Jr., J. (1990). Perguntas abertas versus perguntas fechadas: uma comparação empírica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 6(2), 203-213.
  • Günther, I. (1998). Contacting subjects: the untold story. Culture and Psychology, 4(1), 65-74. www.psi-ambiental.net/pdf/isoldauntold.pdf
  • C Kendler, H. H. (1999). The role of value in the world of psychology. American Psychologist, 54, 828-835.
  • C Kendler, H. H. (2000). Let's be realistic! American Psychologist, 55, 1154-1155.
  • X Kish, L. (1987). Statistical design for research. New York: Wiley. [capítulo 1 à disposição no Xerox].
  • C Krosnick, J. A. (1999). Survey research. Annual Review of Psychology, 50, 537-67.
  • J Lazarsfeld, P. F. (1944). The controversy over detailed interviews: An offer for negotiation. Public Opinion Quarterly, 8, 38-60.
  • * Leong, F. T. L., & Austin, J. T. (1996). The psychology research handbook. Thousand Oaks, CA: Sage.
  • C Lilienfeld, S. O. (2002). When worlds collide: Social science, politics, and the Rind et al. (1998) child sexual abuse meta-analysis. American Psychologist. 57(3), 176-188.
  • J Lipsey, M. W., Cordray, D. S. (2000). Evaluation methods for social intervention. Annual Review of Psychology, 51, 345-375.
  • * Meltzoff, J. (1998). Critical thinking about research: Psychology and related fields. Washington, DC: American Psychological Association.
  • * Miller, D. C. (1991). Handbook of research design and social measurement. Thousand Oaks,CA: Sage.
  • C Riecken, H. W., & Boruch, R. F. (1978). Social experiments. Annual Review of Sociology, 4, 511-532.
  • C Rind, B., Tromovitch, P., & Bauserman, R. (1998). A metal-analytic examination of assumed
    properties of child sexual abuse using college samples. Psychological Bulletin, 124, 22-53.
  • C Rosenthal, R., DiMatteo, M. R. (2000). Meta analysis: Recent developments in quantitative methods for literature reviews. Annual Review of Psychology, 52, 59-82.
  • C Rosnow, r. L., & Rosenthal, R. (1989). Statistical procedures and the justication of knowledge in psychological science. American Psychologist, 44(10), 1276-1284.
  • Shea, C. (2000). Don't talk to the humans: The crackdown on social science research. Lingua Franca, 10(6), 26-34. http://www.rci.rutgers.edu/~roos/Courses/grstat502/shea.pdf
  • C Sheldon, K., Schmuck, P., & Kasser, T. (2000). Is value-free science possible? American Psychologist, 55, 1152-1153.
  • C Smith, M. B. (2000). Values, politics, and psychology. American Psychologist, 55, 1151-1152.
  • Sommer, R. (1962/2005). A writer's guide to periodical literature. (Série: Textos de Psicologia, Nº 13). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. (Originalmente publicado em 1962). www.psi-ambiental.net/pdf/13Writers.pdf
  • Sommer, R. (1971). Some costs and pitfals in field research. Social Problems, 19(2), 162-166. www.psi-ambiental.net/pdf/sommer1971field.pdf
  • Sommer, R. (1973). Evaluation, yes; research maybe. Representative Research in Social Psychology, 4, 127-133. www.unb.br/ip/lpa/pdf/sommer1973.pdf
  • C Sommer, R. (1990). Local research. Journal of Social Issues, 46(1), 203-214.
  • Sommer, R. (2003). Em direção a uma psicologia do comportamento natural (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, Nº 03; Tradução de Fabio Iglesias). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. (Originalmente publicado em 1977).
    www.psi-ambiental.net/pdf/03Natural.pdf
  • Sommer, R., & Amick, T. (2002/1984). Pesquisa-Ação: Ligando pesquisa à mudança organizacional.
    www.psi-ambiental.net/pdf/04Action.pdf
  • C Sommer, R., & Sommer, B. (1983). Mystery in Milwaukee: Early intervention, IQ, and psychology textbooks. American Psychologist, 38, 982-985. [respostas a este artigo foram publicados no American Psychologist, 1984, vol 39, pp. 1315-1319].
  • Vogt, W. P. (1993). Dictionary of statistics and methodology: A nontechnical guide for the social sciences. Newbury Park, CA: Sage.
  • C Wainer, H., & Velleman, P. F. (2000). Statistical graphics: Mapping the pathways of science. Annual Review of Psychology, 52, 305-335.
  • C Wilkenson, L., & Task Force on Statistical Inference. (1999). Statistical methods on psychology journals: Guidelines and explanations. American Psychologist, 54(8), 594-604.


  • Ensino Publicações Contato

    atualização 2006-11-19
    Visitas