Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Departamento de Psicologia Social e do Trabalho  

P sicologia S ocial - I — Turmas A, B & C
1° semestre / 2007

Ensino Publicações Contato

Disciplina em nível de graduação;
Código: 12.4028;
Créditos: 04-02-06
Carga Horária: 90 horas/aula
Horários:
Segundas, Quartas, Sextas 16:10 - 17:50;
Salas:

Turma A : ICC Sul Anfi 03
Turma B : ICC BT 027
Turma C : ICC BT 123

ATENÇÃO As aulas das primeiras duas semanas, as aulas das segundas-feiras e os filmes, marcadas em vermelho no cronograma ao lado, são oferecidos às três turmas em conjunto no ANFI 03


Ementa

Evolução histórica, problemas e métodos em Psicologia Social, fatores sociais e culturais da personalidade. Socialização e conceitos de papel e status. Percepção dos eventos sociais. Natureza, função e mudança de atitudes. Análise de pequenos grupos.


Objetivo Geral

A disciplina visa
¶ oferecer ao aluno uma introdução à história, às teorias e aos métodos da psicologia social;
¶ fornecer conceitos básicos da psicologia social para possibilitar a identificação dos fenômenos psico-sociais nas relações entre indivíduo e grupo em diferentes contextos sociais e institucionais;
¶ apresentar a psicologia social sob a perspectiva transcultural com atenção a diversidade cultural;
¶ proporcionar oportunidade para realizar pesquisa empírica na área de psicologia social;
¶ discutir os estudos transculturais e sua ligação com a Psicologia Social.


Objetivo Específico

Ao final do semestre, espera-se que os alunos sejam capazes de:
¶ Definir o que é psicologia social;
¶ Definir o objeto de investigação da psicologia social;
¶ Discutir os métodos de pesquisa em psicologia social;
¶ Argumentar sobre o caráter fundamental da pesquisa empírica em psicologia social;
¶ Diferenciar a psicologia social de ciências correlatas;
¶ Analisar os aspectos transculturais dos fenômenos da psicologia social;
¶ Analisar artigos científicos em psicologia social;
¶ Discutir conceitos básicos e modelos teóricos em psicologia social;
¶ Aplicar conceitos básicos de psicologia social em diversas questões do comportamento humano;
¶ Desenvolver uma pesquisa empírica em psicologia social.


Aviso importante

Ao longo do semestre poderão ser: (a) acrescentadas outras referências, (b) atualizados os links para recursos externos, (c) modificado o cronograma das aulas em função de eventos externos não previstos, (d) feitas outras modificações para ajudar o aluno a melhorar o seu desempenho nesta disciplina. Assim, recomenda-se visitas periódicas a este site.


Professores

Cláudio Vaz Torres

responsável pela turma B
Atendimento:
Terças e Quintas-feiras,
10:00 às 12:00 na sala ICC A1-055/4;
ou a combinar por e-mail:
claudpsius@aol.com
ou telefone:
3307.2625 ramal 217

Hartmut Günther

responsável pela Turma A
Atendimento:
Terças e Quintas-feiras, 16:15-17:45 na sala ICC A1–102;
ou a combinar por e-mail:
hartmut.gunther@gmail.com
telefone:
3307.2625 ramal 220

Ronaldo Pilati

responsável pela turma C
Atendimento:
na sala ICC A1-016
a combinar por e-mail:
rpilati@gmail.com

ou telefone:
3307.2625 ramal 608


Monitores

Amalia Pérez-Nebra
atuando nas três turmas
Atendimento:a combinar:
e-mail:
amalia@unb.br


Felipe Rosa Lima
atuando na turma B
Atendimento:a combinar:
e-mail:
felipe_rlima@yahoo.com.br

Fernanda Lima
atuando na turma B
Atendimento:a combinar:
e-mail:
felima316@hotmail.com


Lude Marieta G. S. dos Santos Neves
atuando na turma A
Atendimento a combinar por e-mail:
ludemarietag@gmail.com

ou telefone:
3307.2625 ramal 220

Julia Salvagni
atuando na turma A
Atendimento:a combinar:
e-mail:
jusalvagni@yahoo.com.br

telefone para contato:
3307.2625 ramal 220

Maisa Campos Guimarães
atuando na turma C
Atendimento:a combinar:
e-mail:
maisinha_inha@yahoo.com.br

telefone para contato:
3307.2625 ramal 220

Marcos Akira Miura
atuando na turma C
Atendimento:a combinar:
e-mail:
marco.akira@gmail.com

telefones para contato:
3307.2625 ramal 220


Lista de discussão
Preparamos uma lista de discussão para facilitar o contato entre alunos, monitores e professores desta disciplina. A lista é restrita a participantes desta disciplina.

Para inscrever-se, escreve seu e-mail no campo a seguir e clique no botão.

Google Groups
Email:

Recomendamos fortemente que você se afilie à lista o mais breve possível. Além de facilitar o contato, consta entre os objetivos da lista:
— Divulgar informações e atualizações sobre o programa, cronograma, referências, etc.
— Troca de idéias
— Avisos sobre avaliações e tarefas
— Perguntas ao Professor ou à Monitora que podem interessar aos colegas além do aluno que faz a pergunta
— Respostas a perguntas que podem interessar a mais alunos além daquele que fez a pergunta
— Obviamente, perguntas e respostas "pessoais" devem ser dirigidas diretamente à pessoa específica, não ao grupo como um todo.


Avaliação
A avaliação basear-se-á em quatro atividades:
Atividade 1 - três provas em sala de aula, valendo cada uma 10%
.
Atividade 2 - elaboração de uma pesquisa empírica e sua apresentação numa sessão de painel, valendo 16%.
Atividade 3 - apresentação da pesquisa em forma de artigo pronto para envio à revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, valendo 40%.
Você deve seguir as instruções para autores dessa revista. Um esboço formatado está disponível neste link.

Atividade 4 - preparação de sete textos breves, conforme roteiro, veja aqui, valendo cada um 2%.
Estes textos são indispensáveis, seja para o acompanhamento das aulas, seja para o desenvolvimento das atividades (3) e (4).

Observação importante

As atividades 2 a 4 e, portanto, as notas daí decorentes, são do grupo de estudo e pesquisa;
a atividade 1 e, portanto, a nota daí decorrente, é individual.

Menções

  • 90 - 100 pontos — SS
  • 70 - 89 — MS
  • 50 - 69 — MM
  • 30 - 49 — MI
  • 01 - 29 — II
  • 00 ou mais de 25% de faltas — SR
  • A não-participação em qualquer uma destas cinco atividades implicará na menção II.

Uns lembretes
Teorias...
"Teorias -- Comprovantes"
[Bortz & Döring, 1995, p. 328]
Planejamento...

Saul Steinberg, 1950, © The New Yorker

Informações Úteis


Livrarias e sebos online
Alguns recursos de informação científica


Algumas revistas de interesse especial para Psicologia Social

J = Journal of

C Asian J Social Psychology
C Basic and Applied Social Psychology
C Britisch Journal of Social Psychology
§ Current Research in Social Psychology
European Journal of Social Psychology

C J Applied Social Psychology
C J Cross Cultural Psychology
C J Experimental Social Psychology
C J Language and Social Psychology
C J Personality and Social Psychology
Social Cognition

C J Social Issues
C J Social Psychology
C Personality and Social Psychology Bulletin
S Psicologia e Sociedade
C Social Forces
C Social Psychology of Education
J Social Psychology Quarterly

Estas revistas estão disponíveis via:

  • § online
  • C pelo Portal de Periódicos da CAPES
  • J pelo Portal JStor
  • S pelo portal www.scielo.br
  • Introdução à disciplina Psicologia Social

    A Psicologia Social trata da relação recíproca entre o indivíduo e o seu meio social: do impacto que as pessoas exercem nos seus amigos, nos seus familiares, nos seus colegas e até nos desconhecidos, bem como cada um de nos é influenciado nos seus sentimentos, nas suas experiências e no seu comportamento pelos outros.

    Nesta disciplina pretendemos oferecer uma introdução ao vasto e excitante campo da Psicologia Social por meio de aulas expositivas, discussões e prática de pesquisa. Assim, de maneira teórica e prática, a disciplina lhe propiciará a oportunidade de compreensão das teorias, perspectivas e métodos da área. A disciplina foi planejada com a intenção de introduzir tópicos da Psicologia Social para que você possa ter familiaridade com o uso das lentes da Psicologia Social na elaboração de pesquisas na área. Manteremos uma perspectiva internacional e multicultural durante todo o curso.

    Para aproveitar ao máximo as aulas e discusões, recomenda-se — fortemente — a leitura previa dos capítulos do livro texto, isto é, antes das respectivas aulas, vez que (a) facilitam a compreensão das aulas e (b) permitem eventuais perguntas e esclarecimentos. Vale notar que os textos servem tão somente como um organizador avançado das discussões, não sendo suficientes para um aprofundamento da matéria. Será necessário procurar leituras adicionais, conforme indicado na secção de referências e participar ativamente das discussões.

    A parte prática da disciplina consiste da realização de uma pesquisa. Conduzir uma pesquisa não somente complementa a parte teórica, mas permite apreciar a riqueza e complexidade da Psicologia Social. Nós, os professores da disciplina, acreditamos que teoria e prática precisam estar juntos, o que significa, no caso desta introdução à psicologia que além de ouvir sobre e discutir pesquisas clássicas, algumas destas serão replicadas.


    Cronograma - Sujeito a modificações e atualização ao longo do semestre sem aviso prévio. Recomenda-se uma consulta semanal.

    # Datas em 2007
    Assunto — indica-se, quando apropriado, o capítulo do livro relativo ao assunto da aula. Além do mais, há mais referências agrupadas tematicamente.
    ATENÇÃO As aulas das primeiras duas semanas, as aulas das segundas-feiras e os filmes, marcadas em vermelho no cronograma a seguir, são oferecidos às três turmas em conjunto no ANFI 03

    1 12 de março » Apresentação do programa e da disciplina

    2 14 » História da Psicologia Social

    3 16 » Filme: Making of a Terrorist

    4 19 » Perspectiva Transcultural na Psicologia Social

    5 21 »Métodos de Pesquisa na Psicologia Social (Aronson & al., cap. 2)
    apresentação sobre Métodos de Pesquisa disponível AQUI

    6 23 » Filme: A experiência

    7 26 » Ética de pesquisa

    8 28 » Ética de pesquisa

    9 30 » Orientação de pesquisa

    10 2 de abril » Cognição social (Aronson & al., cap. 3)
    mudou a data de entrega dos primeiros dois textos breves
    a Atividade 4 — 1° texto breve (individual), relatando sua experiência em constituir um grupo de pesquisa
    a Atividade 4 — 2° texto breve (um por grupo), tratando da definição do tema da pesquisa
    apresentação sobre Cognição Social disponível AQUI

    11 4 » Cognição social

    12 9 mudou a data de entrega do terceiro texto breve
    a Atividade 4 — 3 ° texto breve, detalhando o método da pesquisa
    » Percepção social (Aronson & al., cap. 4)
    apresentação sobre Percepção Social disponível AQUI

    13 11 » Percepção social (Aronson & al., cap. 4)

    14 13 a Atividade 1 1ª Prova sobre o material das aulas 1 - 13

    15 16 a Atividade 4 — 4 ° texto breve, tratando da preparação do instrumento da pesquisa
    » Autoconhecimento (Aronson & al., cap 5)
    apresentação sobre Autoconhecimento disponível AQUI

    16 18 » Autoconhecimento (Aronson & al., cap 5)

    17 20 » Orientação de pesquisa

    18 23 » Autojustificação (Aronson & al., cap 6)
    apresentação sobre Autojustificativa disponível AQUI

    19 25 » Autojustificação (Aronson & al., cap 6)

    20 27 » Orientação de pesquisa

    21 30 » Atitudes (Aronson & al., cap. 7)
    apresentação sobre Atitudes disponível AQUI (o arquivo é grande e zipado)

    22 2 de maio » Atitudes (Aronson & al., cap. 7)

    23 4 » Orientação de pesquisa

    24 7 » Conformidade (Aronson & al., cap. 8)
    - apresentação sobre Conformidade disponível AQUI

    25 9 » Conformidade (Aronson & al., cap. 8)

    26 11 Filme: Senhor das moscas

    27 14 a Atividade 4 — 5 ° texto breve, tratando da coleta de dados
    » Processos Grupais (Aronson & al., cap. 9)
    - apresentação sobre Grupos disponível AQUI

    28 16 » Processos Grupais (Aronson & al., cap. 9)

    29 18 » Orientação de pesquisa

    30 21 » Atração interpessoal (Aronson & al., cap. 10)
    - apresentação sobre Atração Interpessoal disponível AQUI

    31 23 » Atração interpessoal (Aronson & al., cap. 10)

    32 25 a Atividade 1 2ª Prova sobre o material das aulas 15 - 28

    33 28 » Preconceito (Aronson & al., cap 13)
    - apresentação sobre Preconceitos disponível AQUI (atenção, o arquivo é grande)

    34 30 » Preconceito (Aronson & al., cap 13)

    35 1 de junho » Filme: Olhos azuis

    36 4 » Comportamento pró-social (Aronson & al., cap 11)
    a Atividade 4 — 6 ° texto breve, tratando da análise dos dados da pesquisa
    - apresentação sobre Comportamento Pró-social disponível AQUI

    37 6 » Comportamento pró-social (Aronson & al., cap 11)

    38 8 » Filme: Dia de fúria

    39 11 » Agressão (Aronson & al., cap 12)

    40 13 » Agressão (Aronson & al., cap 12)

    41 15 » Orientação de pesquisa

    42 18 » Psicologia Social em Ação
    a Atividade 4 — 7 ° texto breve, tratando da experiência de trabalhar em grupo
    a   Atividade 3 opcional: entregar uma versão preliminar do trabalho final, que será devolvido no dia 25, com comentários

    43 20 » Psicologia Social em Ação

    44 22 a   Atividade 1 — 3ª Prova sobre o material das aulas 30 - 43

      25 a   Atividade 2 — consultas com os Professores e Monitores sobre o painel
    a   Atividade 3 — consultas com os Professores e Monitores sobre o trabalho final

    45 27 a Atividade 3 — Apresentação, em forma de painel, dos projetos de pesquisa
    a Avaliação da disciplina

      29 de junho » Até às 17:30, nos escaninhos do Professor da sua turma:
    a Atividade 3 — Entrega do relatório da pesquisa

      Observação: a indica atividades dos alunos

    Atividade prática —conduzindo uma pesquisa empírica

    Como foi dito na introdução a disciplina acima, o trabalho prático de pesquisa é um elemento essencial da mesma. Preparamos uma série de temas de pesquisa.

    A lista dos temas foi atualizada. Vide aqui a nova lista dos temas com uma breve descrição.

    • Ao prepararmos os temas de pesquisa, norteamo-mos em algumas considerações preliminares:
      • a pesquisa deve ser empírica, isto quer dizer, ela deve lhe levar a
        • procurar na literatura da área um ou outro estudo que já tratou do tema;
        • coletar dados, no caso por meio de experimento — diretamente junto às pessoas;
        • sistematizar estes dados;
        • tentar fazer inferências a partir dos dados que você coletou e sistematizou;
        • relacionar os seus dados e as suas inferências aos estudos que você encontrou na literatura.
      • para muitos dos alunos desta disciplina, esta vai ser a primeira pesquisa empírica em psicologia. Assim, não tente fazer as coisas sozinho.
        • Entenda-se com alguns dos seus colegas para formar um grupo de estudo e pesquisa (GEP) com, no máximo cinco pessoas,
        • Recorra — freqüentemente e em tempo hábil — aos Professores e aos Monitores para receber orientação sobre o andamento dos seus estudos e do projeto de pesquisa.
      • Em caso de dúvidas, convém procurar os Professores e/ou os Monitores da disciplina.

    Textos breves e datas importantes para o desenvolvimento da pesquisa

    • Um importante segredo para se ter sucesso na realização de uma pesquisa (ou, aliás, de qualquer trabalho acadêmico) está no planejamento dos passos necessários para sua conclusão dentro do tempo disponível. Assim, no intúito de ajudar na realização da pesquisa, preparamos o seguinte cronograma para os passos da pesquisa, que devem ser relatados na forma de sete textos breves de, no máximo, uma página — vide aqui as instruções — que tratam de diferentes fases da sua pesquisa:
      • o primeiro texto breve (a ser entregue na 8 ª aula, no dia 28 de março) é individual, isto é, cada aluno deve entregar o seu texto breve. Neste, você deve falar da sua experiência em constituir um grupo de estudos e pesquisa;
      • o segundo texto breve (a ser entregue na 8 ª aula, no dia 28 de março) é do grupo, isto é, cada grupo deve entregar apenas um texto breve. Neste, o grupo deve relatar que tema de pesquisa você escolheu, justificando a sua escolha. Para tanto, convém conversar antes com o Professor da sua turma;
      • o terceiro texto breve (a ser entregue na 11ª aula, no dia 4 de abril) é do grupo. Neste, o grupo deve relatar as suas reflexões sobre a metodologia, detalhando o método a ser utilizado no seu estudo;
      • o quarto texto breve (a ser entregue na 15 ª aula, no dia 16 de abril) é do grupo. Neste, o grupo deve relatar o instrumento que vai utilizar na pesquisa empírica;
      • o quinto texto breve (a ser entregue na 27ª aula, no dia 14 de maio) é do grupo. Neste, o grupo deve relatar a experiência com a coleta dos dados. Espera-se que o grupo esteja bem adiantado na coleta dos dados;
      • o sexto texto breve (a ser entregue na 33ª aula, no dia 28 de maio) é do grupo. Neste , o grupo deve relatar como analisou os dados. Espera-se que o grupo esteja bem adiantado ou tenha terminado a análise de dados;
      • o sétimo texto breve (a ser entregue na 42ª aula, no dia 18 de junho) é individual. Neste você deve falar da sua experiência de trabalhar em grupo.
    • Mesmo que não tenha completado a tarefa de alguma fase até o dia especificado, você / o grupo deve preparar um texto breve no qual relata o que conseguiu, isto é, sua experiência até aquele momento, quais as razãos pelas quais não conseguiu completar a tarefa e até quando e/ou como espera concluir esta fase do trabalho. Quando completar a fase de pesquisa em questão, você deverá entregar uma segunda versão do texto breve que fale sobre a conclusão da tarefa.
    • O texto deverá ser entregue no dia especificado, pessoalmente no início da aula
    • Para poder entregar o texto breve no dia e hora especificado, sugere-se, fortemente, que
      • antes do dia, o grupo de estudo e pesquisa (GEP) se junte para falar sobre o que conseguiu fazer e como anda a pesquisa;
      • antes do dia, o GEP deve conversar com o Professor da sua turma e/ou com os Monitores, se tiver dúvidas quanto ao andamento da pesquisa.
    • O texto deve seguir o modelo das instruções. Uma razão — entre outras— pelas quais as revistas científicas especificaram normas de publicação um tanto rígidas é que o pesquisador deve usar sua criatividade na realização da substância do trabalho, não na formatação do mesmo. O mesmo princípio se aplica aos textos breves. Textos breves que não seguirem o modelo serão devolvidos e tratados como 'não-entregues'.
    • A entrega do texto breve fora do prazo implica na possibilidade de não receber feedback e no desconto de pontos da nota final.
    • Quanto ao trabalho final
      • A versão final do trabalho pode ser entregue até 17:30 horas do dia 29 de junho no escaninho do Professor da sua turma.
      • O trabalho final deve ser preparado como um manuscrito para publicação na revista Psicologia: Teoria e Pesquisa — veja as normas de publicação na página da revista. Um esboço formatado está disponível neste link.
      • A nota do trabalho final basear-se-á tanto em aspectos formais (i.é, ter seguido, ou não, as normas de publicação da revista), quanto substanciais (i.é, a qualidade da pesquisa).

    Referências de Psicologia Social

    Livro texto desta disciplina
    • * Aronson, E., Wilson, T. D., & Akert, R. M. (2002). Psicologia social (3ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: LTC Editora.
      Este livro pode ser encontrado na Livraria da Rodoviária (que foi avisada da procura por parte de alunos desta disciplina) e nas demais livrarias da cidade, bem como em diversos sebos.
      Quem quiser, pode até considerar o original do livro em inglês (mesmos autores, título Social Psychology, 3ª, 4ª ou 5ª edição). Por meio de sites como amazon.com ou barnesnobel.com, um livro usado da versão em inglês pode até sair mais em conta do que uma versão nova em português.

    Seguem referências complementares a temas tratados nas aulas. As referências obedecem à seguinte codificação

    Sobre a história da Psicologia Social (complemento à aula N° 2)

    • S Bosi, E. (2000). Dante Moreira Leite: mestre da psicologia social. Psicologia USP, 11(2), 15-23.
    • S Chaves, E. S. (2003). Nina Rodrigues: sua interpretação do evolucionismo social e da psicologia das massas nos primórdios da psicologia social brasileira. Psicologia em Estudo, 8(2), 29-37.
    • S Paiva, G. J. (2000). Dante Moreira Leite: a pioneer of social psychology in Brazil. Psicologia USP, 11(2), 25-57.
    Sobre Perspectivas transculturais na Psicologia Social (complemento à aula N° 4)
    • C Brewer, M. B., & Gardner, W. (1996). Who is this "We"? Levels of collective identity and self representations. Journal of Personality & Social Psychology. 71(1),83-93.
    • X Díaz-Loving, R. (2002). Psicología social psicológica en el contexto latinoamericano. Em Ch. Kimble, E. Hirt, R. Díaz-Loving, H. Hosch, H., G. W. Lucker, & Zárate, M. (eds.) Psicología social de las américas (pp. 487-505) . Cuidad de México: Pearson Educacíon de México.
    • Ferreira, M. A. (2002). O individualismo e o coletivismo como indicadores de culturas nacionais:
      convergências e divergências teórico-metodológicas. Psicologia em Estudo http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722002000100011
    • Hofstede, G. (1980). Cultural consequences.
      http://www.geert-hofstede.com
    • Leituras diversas de Hofstede, G. Acessível no sítio: http://feweb.uvt.nl/center/hofstede/index.htm
      X Lucker, G. W. (2002). La cultura y la psicología social. Em Ch. Kimble, E. Hirt, R. Díaz-Loving, H. Hosch, H., G. W. Lucker, & Zárate, M. (eds.) Psicología social de las américas (pp. 507-531) . Cuidad de México: Pearson Educacíon de México.
    Sobre métodos de pesquisa na Psicologia Social (complemento à aula N° 5)
    • S Guareschi, P. A. (2003). Pressupostos metafísicos e epistemológicos na pesquisa. Psicologia: Reflex?o e Crítica, 16(2), 245-255.
    • S Uzzell, D. (2005). Questionando os métodos na pesquisa e na prática interdisciplinares da Psicologia Ambiental. Psicologia USP, 16(1-2), 185-199.
    Sobre ética de pesquisa (complemento à aula N° 7)
    • X Allen, C. (1997). Spies like us: When sociologists deceive their subjects. Lingua Franca, 7(9), 31-39.
    • S Andrade, Â. N., & Morato, H. T. P. (2004). Para uma dimensão ética da prática psicológica em instituições. Estudos de Psicologia (Natal), 9(2), 345-353.
    • Shea, C. (2000). Don't talk to the humans: the crackdown on social science research. Lingua Franca, 10(6), 27-34. http://www.rci.rutgers.edu/~roos/Courses/grstat502/shea.pdf
    • S Shimizu, A. M., Cordeiro, A. P., & Menin, M. S. S. (2006). Ética, preconceito e educação: características das publicações em periódicos nacionais de educação, filosofia e psicologia entre 1970 e 2003. Revista Brassileira de Educaç?o, 11(31), 167-182.
    Sobre cognição social (complemento à aula N° 10)
    • S Bairrão, J. F. M. H. (2003). Raízes da Jurema. Psicologia (USP), 14(1), 157-184.
    • S Butman, J., & Allegri, R. F. (2001). A Cognição Social e o Córtex Cerebral. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14(2), 275-279.
    • C Kurger, J., & Dunning, D. (1999). Unskilled and unaware of it: How difficulties in recognizing one’s own incompetence lead to inflated self-assessments. Journal of Personality and Social Psychology, 77(6), 1121-1134.
    • S Ramires, V. R. R. (2003). Cognição social e teoria do apego: possíveis articulações. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 403-410.
    Sobre percepção social (complemento à aula N° 12)
    • S Costa, L. R. R S., Dias, A. D., & Pinheiro, L. S. (2004). Percepção de cirurgiões-dentistas, acadêmicos de odontologia e público leigo sobre sedação em odontologia. Journal of Applied Oral Science, 12(3), 182-188.
    • S Rodrigues, A., & Assmar, E. M. L. (2003). Influência social, atribuição de causalidade e julgamentos de responsabilidade e justiça. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(1), 191-201.
    • S Sousa, F. A. E. F., Hortense, P., & Evangelista, R. A. (2004). Comparação entre os métodos psicofísicos escalares de estimação de magnitudes e de estimação de categorias da percepção social do enfermeiro. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 12(5), .775-780.
    Sobre dissonância cognitiva (complemento à aula N° 23)
    • S Gomes, L. P. (1969). Papel do engajamento no aparecimento da dissonância cognitiva. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 21(1), 17-22. (tb. via bvs-psi)
    • S Rodrigues, A. (1969). Efeitos de reatância psicológica redução de dissonância sob diferentes condições de liberdade e escolha. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 21(3), 19-31. (tb. via bvs-psi)
    • S Rodrigues, A., Costa, F. R., & Corga, D. M. (1993). Redução de dissonância: teste empírico de três explicações teóricas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 9(1), 75-87. (tb. via bvs-psi)
    Sobre atitudes (complemento à aula N° 21)
    • J LaPiere, R. T. (1934). Attitudes vs. actions. Social Forces, 13(2), 230-237.
    Sobre representação social (complemento à aula N° 21)
    • S Arruda, A. (2002). Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cadernos de Pesquisa, 117, 127-147.
    • S Borlot, A. M. M., & Trindade, Z. (2004). As tecnologias de reprodução assistida e as representações sociais de filho biológico. Estudos de Psicologia (Natal), 9(1), 63-70.
    • S Camino, C., Camino, L., & Pereira, C. (2004). Moral, direitos humanos e participação social. Estudos de Psicologia (Natal), 9(1), 25-34.
    • S Menin, M. S. de S. (2003). Atitudes de adolescentes frente à delinqüência como representações sociais. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(1), 125-135.
    • S Spink, M. J. P. (1993). O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 300-308.
    • S Xavier, R. (2002). Representação social e ideologia: conceitos intercambiáveis? Psicologia e Sociedade, 14(2), 18-47.
    Sobre obediência e oonformidade (complemento à aula N° 24) Sobre processos de grupos (complemento à aula N° 27)
    • S Zanella, A. V., Prado F°, K., & Abella, S. I. S. (2003). Relações sociais e poder em um contexto grupal: reflexões a partir de uma atividade específica. Estudos de Psicologia (Natal), 8(1), 85-91.
    Sobre atração interpessoal (complemento à aula N° 30)
    • S Lee-Manoel, C. L., Salum e Morais, M. L., Bussab, VV. S. R., & Otta, E. (2002). Quem é bom (e eu gosto) é bonito: efeitos da familiaridade na percepção de atratividade física em pré-escolares. Psicologia: reflexão e Crítica, 15(2), 271-282.
    • S Ramos, A. L. M., & Pasquali, L. (1993). Atração intersexual por aparência física. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 9(1), 193-205.
    • S Wachelke, J. F. R., Andrade, A. L., Cruz, R. M., Faggiani, R. B., Natividade, J. C. (2004). Medida da satisfação em relacionamento de casal. Psico USF, 9(1), 11-18.
    Sobre comportamento pro-social (complemento à aula N° 33)
    • Levine, R. V. (2003). The kindness of strangers. American Scientist, 91, 226-233. Disponível pelo URL: http://www.americanscientist.org/articles/03articles/Levine.html ou http://psych.csufresno.edu/levine/Resources/americanscientistlowdensit.pdf (melhor opção)
    • C Levine, R. V., Martinez, T. S., Brase, G., & Sorenson, K. (1994). Helping in 36 U.S. cities. Journal of Personality and Social Psychology, 67(1), 69-82.
    • C Levine, R. V., Norenzayan, A., & Philbrick, K. (2001). Cross-cultural differences in helping strangers. Journal of Cross Cultural Psychology, 32, 543-560.
    • Biblioteca Central Silva, A. V., & Günther, H. (1999). Comportamento de ajuda no contexto urbano: um estudo experimental por meio do telefone. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 15 (3), 189-197.
    • S Silva, A. V., & Günther, H. (2001). Ajuda entre passageiros de ônibus. Estudos de Psicologia (Natal), 6(1), 75-82.
    • S Silva, A. V., Günther, H., Lara, A. A., Cunha, L. F., & Almeida, V. J. S. (1998). Técnicas da carta-perdida como instrumento de pesquisa social: um estudo sobre preconceito e ajuda. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(1), 117-134.
    Sobre agressão (complemento à aula N° 36)
    • S Ferreira, A. L., & Schramm, F. R. (2000). Implicações éticas da violência doméstica contra a criança para profissionais de saúde. Revista de Saúde Pública, 34(6), 659-665.
    • S Gomide, P. I. C. (2000). A influência de filmes violentos em comportamento agressivo de crianças e adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 13(1), 127-141.
    • S Leme, M. I. S. (2004). Resolução de conflitos interpessoais: interações entre cognição e afetividade na cultura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), 367-380.
    • S Lisboa, C., Koller, S. H., & Ribas, F. F. (2002). Estratégias de coping de crianças vítimas e não vítimas de violência doméstica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2), 345-362.
    • Moser, G. (1991). A agressão (Trad. A. M. C. de Novaes). São Paulo: Ática.
    • C vide a revista Aggression and Violent Behavior
    Sobre preconceito (complemento à aula N° 39) Sobre Psicologia Social e Meio Ambiente (complemento à aula N° 42)
    • S Abreu, J. L. C. (1990). Controle dos resíduos sólidos com envolvimento de população de baixa renda. Revista de Saúde Pública, 24(5), 398-406.
    • C Anderson, C. A. (1987). Temperature and aggression: Effects on quarterly, yearly, and city rates of violent and nonviolent crime. Journal of Personality & Social Psychology. 52(6), 1161-1173.
    Dicas para realizar a pesquisa Outras referências da psicologia social
    • -Handbooks (manuais) e coletâneas
      • Beauvois, J.-L. La psychologie sociale . Grenoble, França: Presses Universitaires de Grenoble. 6 volumes:
        • Vol 1 - Mugny, G., Oberlé, D., & Beauvois, J.-L. (Eds.). (1995). Relations humaines groupes et influence sociale.
        • Vol 2 - Deschamps, J.-C., & Beauvois, J.-L. (Eds.). (1996). Des attitudes aux attributions.
        • Vol 3 - Leyens, J.-Ph., & Beauvois, J.-L. (Eds.) (1997). L'ère de la cognition.
        • Vol 4 - Beauvois, J.-L., Duboise, N., & Doise, W. (Eds.). (1999). La construction sociale de la personne.
        • Vol 5 - Monteil, J.-M., & Beauvois, J.-L. (Eds.) (2001). Des compétences pour l'application.
        • Vol 6 - Beauvois, J. L., Joule, R.-V., & Monteil, J.-M. (Eds.). (1998). 20 ans de psychologie sociale expérimentale francophone.
      • Blackwell Handbook of Social Psychology - Malden, MA: Blackwell
        • Brown, R., & Gaertner, S. (Eds.). (2001). Intergroup processes.
        • Fletcher, G. J. O., & Clark, M. S. (Eds.). (2001). Interpersonal processes.
        • Hogg, M. A., & Tindale, S. (2001). Group processes.
        • Tesser, A., & Schwartz, N. (2001). Intraindividual processes.
      • Hogg, M. A., & Cooper, J. (2003). The Sage handbook of social psychology. Thousand Oaks, CA: Sage.
      • Lindzey, G. (Ed.). (1954). Handbook of social psychology. Reading, MA: Addison-Wesley. 2 volumes:
        • Vol 1: Theory and method
        • Vol 2: Special fields and aplications
      • Lindzey, G., & Aronson, E. (Eds.). (1969). The handbook of social psychology (2nd edition). Reading, MA: Addison-Wesley. 5 volumes:
        • Vol 1: Systematic positions
        • Vol 2: Research methods
        • Vol 3: The individual in a social context
        • Vol 4: Group psychology and phenomena of interaction
        • Vol 5: Applied social psychology
      • Lindzey, G., & Aronson, E. (Eds.). (1985). Handbook of social psychology (3rd edition). New York: Random House. 2 volumes:
        • Vol 1: Theory and method
        • Vol 2: Special fields and applications
      • Gilbert, D. T., Fiske, S. T., & Lindzey, G. (Eds.). (1998). The handbook of social psychology (4th edition). New York: McGraw-Hill. 2 volumes:
        • Vol 1: (1) historical perspectives; (2) methodological perspectives; (3) intrapersonal phenomenqa; (4) personal phenomena
        • Vol 2: (5) interperrsonal phenomena; (6) collective phenomena; (7) interdisciplinary perspectives; (8) emerging perspectives
      • Millon, Th., & Lerner, M. (2003). Personality and social psychology. Volume 5 do Handbook of psychology, editado por I. J. Weiner . New York: Wiley.
      • Murchison, C. (1935). A handbook of social psychology. Worcester, MA: Clark U Press.
      • Sansone, C., Morf, C. C., & Panter, A. T. (Eds.). (2003). The Sage handbook of methods in social psychology. Thousand Oaks: Sage.
    • Álvaro, J. L. & Garrido, A. (2003). Psicologia social: perspectivas psicológicas y sociologicas. Madrid: McGraw-Hill.
    • Álvaro, J. L.; Garrido, A. & Torregrosa, J. R. (1996). Psicologia social aplicada. Madrid: McGraw-Hill.
    • Farr, R. M. (2002). Raízes da psicologia social moderna. Petrópolis: Vozes.
    • Gold, M. (1997). A new outline of social psychology. Washington, DC: APA.
    • Higgins, E. T. & Kruglanski, A. W. (1996). Social psychology: Handbook of basic principles. New York: Gilford.
    • Kimble, C., Hirt, E., Díaz-Loving, R., Hosch, H. Lucker, G. W., & Zárate, W. (2002). Psicologia Social de las Américas. México: Pearson Educación.
    • Michener, H. A.; DeLamater, J. D. & Myers, D. J. (2005). Psicologia Social. São Paulo: Thomson.
    • Miller, D. T., & Prentice, D. A. (1996). The construction of social norms and standards. Em E. T. Higgins &
      A. W. Kruglanski (Eds.), Social psychology: Handbook of basic principles (pp. 799-829). New York: Gilford
    • Moscovici, S. (2003). Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes.
    • Pereira, M. E. (2002). Psicologia social dos estereótipos. São Paulo: EPU.
    • Rodrigues, A., Assmar, E. M. L., & Jablonski, B. (2003). Psicologia social (22ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.
    • Ros, M. & Gouveia, V. V. (2001). Psicologia social de los valores humanos: desarrollos teoricos, metodologicos y aplicados. Madrid: Biblioteca Nueva.
    • Slater, C. (2005). Mente e cérebro. São Paulo: Ediouro.
    • Smith, P. B., & Bond, M. H. (1999). Social psychology across cultures: Analysis and perspectives, 2nd Edition. Boston: Allyn & Bacon.
    • Smith, P. B., Bond, M. H,& Kagitçibasi, C. (2006). Understanding Social Psychology Across Cultures: Living and working in a changing world. London: Sage.
    • Stephan, C. W.; & Stephan, W. G. (1995). Two Social Psychologies. Homewood, Illinois: Dorsey Press.
    • Taylor, D. M., & Moghaddam, F. M. (1994). Theories of intergroup relations: International social psychological perspectives, 2nd Edition. New York: Praeger.
    • Ward, C. D. (1974). Psicologia social experimental: Manual de laboratório. São Paulo: EPU.
     


    Ensino Publicações Contato

    atualização 2007-06-04
    Visitas